Da mesma forma como o ídolo Morten Harket, a fã apaixonada Maria Izabel conta sua trajetória e como se apaixonou pela banda que passou por um grande desafio quando ainda era pequena. O bullying é um fantasma que persiste nas escolas e ainda faz muitas vítimas. Mas, muitas pessoas conseguem sim, superar este trauma e tem sempre uma grande história de sucesso para contar. 
E se torna um grande exemplo. Assim a história de Maria Izabel se aproxima de Morten Harket.

Um bullying machuca e pode atrapalhar a vida toda de uma pessoa.




Maria Izabel tem 21 anos e é natural de Belo Horizonte. Desde criança o gosto musical sempre foi bem elogiado. " Sempre gostei das músicas dos anos 50 aos anos 80 e só. Pagode e funk? Nem pensar!"

Durante 10 anos estudou na mesma escola e a vida lá não era muito fácil. A jovem conta que sempre foi boa aluna , porém o fato de ser muito dedicada não agradava muito a algumas pessoas e ela diz que infelizmente era vítima de bullying diariamente" Era muito difícil, eu não gostava de ir para a escola mas amava estudar - e amo até hoje!. Meus pais se preocupavam e ligavam para a escola para tentar entender o que acontecia comigo. Era raro os dias em que eu não chegava em casa chorando e me trancava no quarto sem entender porque faziam aquilo comigo"

Ela recorda que no terceiro ano do ensino médio  uma menina disse que Maria Izabel parecia um boneco de macumba, pois seu cabelo parecia palha e eu era muito magrela."Minha mãe chegou a ameaçar fazer um boletim de ocorrência. la ligou chorando para a diretora dizendo que não aguentava isso mais." A adolescente que a agrediu verbalmente nem sabe que a palavra macumba significa apenas um instrumento musical, mas seu objetivo era buscar uma ofensa que fosse profunda na colega. 

Só quem passou por situações semelhantes na infância e adolescência sabe o que significa ofensas e preconceitos na escola, onde para a criança aquele é seu universo, seu mundo. Maria Izabel acabou tornando-se uma pessoa fechada e entrou na faculdade bem precoce aos 16 anos. Achava que todos estavam rindo dela.

A paixão pelo A-HA ocorreu ainda na infância quando assistiu o clipe de Take ON ME "Fiquei paralisada e me perguntando. "Meu Deus, como ele virou desenho?" E depois desse dia, aprendi a cantar outras músicas, e outras, e outras.."

Foi então que resolveu pesquisar sobre a vida pessoal dos integrantes da banda "O que mais chamou a minha atenção foi a vida do Morten (Harket, vocalista). Ele havia passado pelas mesmas coisas que eu na infância e percebi o quanto somos parecidos, inclusive as necessidades emocionais", conta. 

Maria Izabel afirma que  Morten se tornou um espelho, pois mesmo ele passando por tanto, se consagrou como uma das mais populares vozes dos anos 80. "Ele não se deixou abater por nada e venceu tudo e todos. E isso me fez perceber que eu também posso vencer e me orgulhar de quem sou e do que faço. E isso fez com que eu me sentisse mais próxima não só do Morten, mas também do Mags e do Paul. Eu me sentia dentro das músicas, era como se eles fossem parte do meu mundo feliz.", diz. 

Hoje, esta prestes a me formar no curso de Ciência da Computação aos 21 anos e se sente vencedora. "Infelizmente não irei ao show pois financeiramente não tenho como viajar para vê-los, já que não virão á BH. Mas se eu pudesse ir e conhecê-los pessoalmente, tentaria agradecer (pois me faltariam palavras) por tudo que eles fizeram por mim sem eles saberem. Hoje sou outra pessoa. E essa pessoa é muito feliz.", conta.

Fonte: Eli Antonelli
Mande sua história para nós. Vamos divulgar o seu amor pelo a-ha?