Foto de Cesar Brustolin
Do site da PMC

A arquiteta e empresária Francisca Cury tomou posse nesta quarta (20) como nova presidente do Instituto Pró-Cidadania de Curitiba (IPCC), associação civil sem fins lucrativos que atua em projetos de caráter assistencial, educacional, beneficente e cultural em apoio à Prefeitura de Curitiba.
Além de Francisca, tomaram posse como novos diretores do IPCC o vice-presidente, Celso Garcia; a 1ª secretária, Roberta Rosa Martins; a 2ª secretária, Gladys Camargo Cardon; o 1º tesoureiro, Camilo Turmina; e a 2ª tesoureira, Irmã Anete Giardino. Francisca Cury assume a presidência do Instituto em substituição a Helena Pereira Oliveira, que dirigia a instituição desde novembro de 2007. Todos os cargos de direção do IPCC são exercidos voluntariamente.
Em seu discurso, Francisca afirmou que pretende levar sua experiência como empresária do setor de eventos para incrementar as ações já existentes no IPCC: “Sustentabilidade, preço justo e economia pessoal fazem parte do meu dia a dia. Esta é a experiência que posso oferecer para o IPCC. Vamos estender benefícios a outras entidades levando a discussão sobre valores humanos para dentro das famílias”, disse.
Francisca, que já era membro do Conselho Deliberativo do órgão desde 2011, foi indicada ao cargo pela presidente da Fundação de Ação Social (FAS), Marcia Oleskovicz Fruet. O estatuto do IPCC prevê que a presidência do IPCC deve ser ocupada preferencialmente pelo cônjuge do prefeito ou alguém de sua indicação. Como já ocupa a presidência da Fundação de Ação Social (FAS), Márcia Fruet indicou Francisca para o cargo.
Durante a solenidade de posse, Marcia Fruet agradeceu a Helena Pereira Oliveira pela gestão à frente do órgão e ressaltou os desafios que Francisca Cury enfrentará em seu mandato: “A responsabilidade que a Francisca tem em mãos a partir de agora é muito grande. Vamos contar com o apoio dos conselhos Fiscal e Deliberativo para qualificar e ampliar as ações do IPCC com o objetivo de tornar Curitiba uma cidade mais justa, mais democrática e mais participativa”, afirmou