Feira de agronegócios reúne entidades públicas e privadas focadas na sustentabilidade em áreas de proteção ambiental

A Feira Agronegócio Brasil encontra-se em sua terceira edição.  O foco primordial é valorizar a profissão de engenheiro agrônomo e das profissões vinculadas com as Ciências Agrarias e mostrar que é possível produzir de forma sustentável em áreas de APA  - Área de Proteção Ambiental. O evento ocorre nos dias 23 a 25 de novembro no Centro de Estações Experimentais (CEEx) da UFPR – Fazenda Cangüirí.
Localizada em Pinhais, a Estação Experimental do Canguiri é um centro de atividades didáticas e de pesquisa, ligado ao Setor de Ciências Agrárias da UFPR. Pela estrutura que oferece à pesquisa em áreas de olericultura, floricultura, criação de animais e de florestas nativas.
O presidente da Federação dos Engenheiros Agrônomos do Paraná (FEAP), Luiz Antonio Corrêa Lucchesi, destacou que o Centro Experimental do Canguiri é um espaço ideal à realização do Portal Agronegócio Brasil “Por estar inserido na bacia Alto Iguaçu, um complexo de grande importância estratégica do ponto de vista ambiental e socioeconômico, por onde passa a água que abastece Curitiba”, explica. Ele complementa afirmando que o  desafio no Agronegócio Brasil é mostrar que é possível produzir de forma sustentável, sem contaminar a água.
Eventos Simultâneos
Neste ano haverá 5 eventos simultâneos: o II Simpósio Internacional de produção Integrada de Sistemas Agropecuários - PISA que hora se inicia; o IV Simpósio Nacional sobre Agronegócio e Segurança Alimentar; o Dia de Campo de Olericultura Orgânica; a Feira de Negócios; e o Encontro Estadual de Engenheiros Agrônomos;  que ocorrerão durante 3 dias como fóruns de discussão, dias de campo e feira de negócios, para discutir a agricultura e a produção de água em bacias hidrográficas utilizadas como manancial.
Importante ressaltar que o cultivo do solo requer uma série ações inerente à atividade agrícola, tais como: o planejamento do seu uso, a construção de estradas rurais, de obras de conservação do solo, de práticas de defesa sanitária vegetal e animal, dentre outras.
 Tais ações deverão decorrer de decisões técnico-científicas, que se bem embasadas, definirão sistemas de produção sustentáveis. Esses sistemas poderão ser classificados como orgânicos, integrados à produção  agrícola, florestal ou animal, e adotar ou não práticas tais como o uso de plantas geneticamente modificadas, de defensivos agrícolas e assim por diante. A necessidade ou não de se utilizar de certas técnicas em detrimento de outras é papel exclusivo dos profissionais das Ciências Agrárias, em especial dos Engenheiros Agrônomos.
A origem do evento
Com a instituição da APA do Irai, em 06/Maio/1996, por meio do Decreto Estadual no. 1753, e aprovação de seu Plano de Manejo em 2000, as diversas atividades humanas desenvolvidas nos 11.536 ha da bacia hidrográfica de mesmo nome necessitaram adequar-se ao Zoneamento Ecológico-Econômico então proposto. Desde então, o Parque Castelo Branco (atualmente denominado Newton Freire Maia), a Estação Experimental do IAPAR/Canguiri (hoje CPRA) e o Centro de Estações Experimentais do Canguiri da Universidade Federal do Paraná (Fazenda Canguiri) sofreram profundas transformações, que infelizmente não se concretizaram, nestes últimos 10 anos, em efetivas contribuições para se promover o objetivo maior do Decreto 1753/1996 que é o de se "assegurar a proteção, melhoria e recuperação da qualidade ambiental da bacia do rio Irai" e garantir "a potabilidade da água coletada para consumo da população da Região Metropolitana de Curitiba".
 Quando percebeu-se esta necessidade, um grupo de professores do Setor de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Paraná, e de associados da Associação de Engenheiros Agrônomos do Paraná - Curitiba passou a se mobilizar, no sentido de apoiar o resgate do real papel da "Fazenda Canguri/UFPR" de gerar Ciência, Tecnologia e Inovação para com Ética se permitir o uso e manejo dos manancias que abastecem a população de Curitiba, capital do Estado do Paraná, responsável pela maior produção agrícola do País.
A IV ANB  busca ainda aprofundar a discussão do papel dos profissionais e das formas de  praticar a agricultura sustentável, principalmente em APAs, como a do Irai. Conjectura-se que, a partir desta forma de abordagem da questão da exploração do espaço, o Brasil poderá encontrar melhores maneiras de trabalhar a sua vasta e densamente povoada costa. Espera-se que esta iniciativa possa contribuir para o estabelecimento de políticas públicas que permitam fazer da agricultura paranaense uma agricultura de fato sustentável e competitiva neste século XXI.

Serviço
O IV AnB – Agronegócio Brasil - Ciência, Tecnologia, Inovação e Ética é uma iniciativa da Associação dos Engenheiros Agrônomos do Paraná - Curitiba, AEAPR-Curitiba com apoio de realização do Setor de Ciências Agrárias da UFPR, Federação dos Engenheiros Agrônomos do Paraná – FEAP, Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento do Paraná – SEAB, Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento – MAPA, Conselho Federal de Engenharia Arquitetura e Agronomia – CONFEA e Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Estado do Paraná – CREA-PR, com a realização e organização da MonteBello Eventos, patrocínio inicial do Banco do Brasil. O evento terá estacionamento e entrada gratuita para a feira. Para os eventos técnicos será necessária inscrição prévia. Empresas Interessadas em receber mais informações e esclarecimentos ou participar como apoiador/expositor devem entrar em contato com a organização através do telefone (41) 3203-1189 e-mail aeaprcuritiba@montebelloeventos.com.brou www.montebelloeventos.com.br/agronegocio.
 Associe a marca da sua empresa no principal evento do agronegócio na capital do estado mais agrícola do Brasil de 23 a 25 de Novembro no CEEX Canguiri da UFPR.